O que é consultoria empresarial? PDF Imprimir E-mail
Seg, 10 de Março de 2014 19:16

Sergio Luiz de Jesus

 

Algumas coisas multiplicam-se com muita velocidade: coelhos, multas de trânsito, celebridades instantâneas, empresas ineficientes e consultores propondo soluções mirabolantes.

 

Por conta desse cenário conturbado e também considerando as milhares de perguntas sobre a atividade de consultoria que recebi nestes anos todos, escrevo essas linhas buscando esclarecer o que é, de fato, consultoria empresarial. Tentarei fazer isso da forma mais simples e direta possível.

 

Para tanto, vamos focar a questão das empresas nem sempre tão eficientes e também a profusão de consultores “mirabolantes”. As celebridades instantâneas, multas de trânsito e os coelhos ficarão para um próximo artigo.

 

A premissa

 

Para entender o que é consultoria empresarial, é preciso focar a própria empresa, aqui considerada como “uma organização, com ou sem fins lucrativos, privada ou governamental, nacional ou estrangeira, pequena, média ou grande, virtual ou física, cujo objetivo é produzir bens, serviços ou intermediar a produção dos mesmos, de forma regular e conforme a lei”.

 

É importante entender que, por mais simples ou primária que seja uma empresa, ela precisa dar lucro ou gerar resultados minimamente satisfatórios. Para tanto, ela precisa contar com ferramentas de gestão, tanto no aspecto organizacional, quanto produtivo e de pessoas. Sem elas, sua operação não terá o devido controle, mensuração de eficácia e nem a tornará apta a aproveitar os potenciais, oportunidades e talentos com os quais poderia contar, o que adia (ou torna impossível) a obtenção de melhores resultados.

 

Ferramentas de gestão são dispositivos organizacionais, administrativos ou estratégicos cujo objetivo é ampliar a eficácia e produtividade da empresa, para que ele produza um melhor resultado, com menos custos e maior consistência.

 

Eis alguns (apenas alguns!) exemplos de ferramentas de gestão:

 

- Na área comercial: estudos de mercado, mapeamento de clientes potenciais, levantamento de potenciais de compra em determinada área, política de comissões e incentivos para vendedores e representantes, etc.

- Na área de RH (pessoas): plano de carreira e sucessão, avaliação de competências e habilidades, política salarial, formação de liderança, etc.

- Na área administrativa: descritivo de funções, mapeamento de fluxo produtivo, mecanização de atividades (quando possível), prevenção de retrabalho, etc.

 

Nem sempre, por uma série de razões, o empresário, seus diretores ou gerentes conseguem analisar os problemas da empresa de forma objetiva e clara, até mesmo porque, por vezes, estão imersos neles ou, em alguns casos, são seus causadores diretos...

 

É justamente neste contexto que surge o consultor empresarial. Seu perfil, por pressuposto, é de um profissional com conhecimento e experiência suficientes para auxiliar a empresa na opção pela melhor e mais eficaz ferramenta de gestão de acordo com o seu caso. Ele deve estar apto a elaborar um diagnóstico preciso do problema, analisar a cultura empresarial, avaliar se o diagnóstico é adequado à possibilidade de compreensão e adaptação das pessoas que ali trabalham, propor soluções exeqüíveis, econômicas e eficazes que diminuam ou mitiguem os problemas levantados e que seja capaz de envolver diretores, gerentes e empresários neste arcabouço de ações, dialogando, interagindo e implementando as soluções.

 

Além de conhecimento e experiência, um bom consultor empresarial deve contar com solidez de formação (abaixo os pára-quedistas...), equilíbrio e ponderação pessoal (cuidado com os egocentristas, “pavios curtos” e “pavões”...), grande capacidade na arte de lidar com pessoas e formar relacionamentos, sem contar a humildade necessária para expor, repetir, envolver, demonstrar e, por fim, obter as adesões internas necessárias para implantar as ferramentas de gestão mais adequadas ao caso. 

 

A missão precípua de um consultor empresarial, portanto, é aumentar a eficiência da empresa, a qualidade de gestão e liderança, os resultados gerais, além das perspectivas e bem estar das pessoas que trabalham na organização. E, apesar das restrições de alguns, tudo isso se resume a uma única palavra-chave: lucro!

 

Sendo assim, se você é empresário ou gestor e quer crescer, ser mais produtivo e eficiente, conte com o apoio de um bom consultor empresarial. Mas cuidado com a profusão de profissionais que não estão plenamente aptos ao exercício da atividade! É preciso ser cuidadoso na análise da experiência, conhecimento, formação e características gerais. Fica a dica!

Última atualização em Seg, 10 de Março de 2014 19:18