Faça do medo seu aliado PDF Imprimir E-mail
Ter, 15 de Março de 2016 22:12

FAÇA DO MEDO O SEU ALIADO

 

Negar ou se encolher diante desta emoção não leva a lugar algum. Mas ao assumi-lo e encará-lo podemos, usar a energia que ele gera como motivação para nosso desenvolvimento

 

Qual de nós não se sente insegura diante de um gran­de desafio, uma mudança ou si­tuação completamente nova? É a coisa mais normal do mundo! O coração acelera, as pernas tre­mem, dá aquele aperto na boca do estômago... Em português cla­ro isso é medo, a sensação que a gente tenta de todo jeito evitar, esconder e negar. Ter medo, po­rém, não é tão ruim quando con­sideramos que ele nos obriga a tomar uma atitude diante de algo que nos ameaça. Se pensarmos no medo como um mecanismo de proteção, poderemos dirigir a energia que ele gera para o nosso desenvolvimento.

 

É o medo que nos faz cautelo­sas para agir e evitar cometer bo­bagem. Tudo o que fazemos com uma pontinha de receio, fazemos com mais cuidado. O medo tam­bém mobiliza. Temos uma ten­dência natural à acomodação e, se não sentíssemos nossa esta­bilidade ameaçada de vez em quando, talvez jamais saíssemos do lugar. Você pode transformar o seu medo em desejo, em gana, em força para superar obstácu­los, como fazem os adeptos de esportes arriscados. O primeiro passo para quem deseja transfor­mar seu medo em algo produtivo é reconhecê-lo. Você tem medo do quê? Provavelmente alguns destes aqui são comuns à maio­ria das pessoas:

 

Fracasso

 

Este temor nos faz evitar experiências em que identificamos riscos ou a possibilidade de que algo dê errado. A voz desse medo nos diz:" E se eu arriscar e me der mal?" Quem ousa enfrentá-lo, consciente de suas capacidades e com passos bem calculados, pode descobrir que não era tão
limitado quanto imaginava.

 

Mudança

 

Nem sempre as mudanças se impõem a nós como opção, mas como algo que somos obrigados a acompanhar. A voz desse medo nos diz: "E se eu não me acostumar?" Mas não tem jeito: a mudança é parte do jogo e temos que desenvolver nossa capacidade de adaptação

 

Opinião

 

Manter uma boa imagem no mercado é importante, mas a questão aqui é o tipo de imagem que se quer preservar: a de uma profissional arrojada, que encara desafios, ou a da conservadora, que não muda, não arrisca, não empreende...

 

Atitudes como negar o medo ou se encolher diante dele não nos leva a lugar algum. Porém, se formos capazes de assumi-lo e encará-lo, poderemos usar a energia que ele gera como mo­tivação para buscar aperfeiço­amento, força para superar obs­táculos e garra para conquistar objetivos. De fato, é mais negó­cio ter o medo como aliado do que como inimigo.

 

Fonte: REVISTA VIDA EXECUTIVA – Ano 4 Nº 41 – Pág. 14.