O desafio de gerenciar pessoas
5 de fevereiro de 2019
Você também odeia reuniões?
5 de fevereiro de 2019

Houve uma época em que ser gerente era ser uma espécie de capataz. Alguns nem cumprimentavam seus subordinados. Eram autoritários, ameaçadores, guardavam as informações da companhia para si próprios e não tinham muito cuidado no trato diário com seus comandados.



Embora alguns dinossauros deste tipo ainda se encontrem rugindo por aí, é evidente que o perfil gerencial mudou radicalmente de alguns anos para cá, especialmente com a diminuição das vagas no segmento, a concorrência atroz, a crise econômica e um novo perfil de colaboradores, mais afeitos ao trabalho em equipe e à rápida e múltipla ação de resultados. Os dinossauros, de fato, estão com os dias contados.



Numa era onde inteligência emocional e trabalho de equipe são fatores de sucesso premente para as empresas, relaciono algumas dicas para você, gerente, que ainda não está totalmente sintonizado com os novos tempos e, por conseguinte, corre risco de extinção iminente:

1- Comece por ouvir seus liderados. Você não sabe tudo, não pensa em tudo e não controla tudo. Ouvir é um excelente exercício de eficiência.



2- Lembre-se dos modos e da linguagem. Ou por acaso você gosta de grosseria? Trate com classe e obtenha o retorno na forma de respeito e consideração.



3- Motive sua equipe e dê-lhe alvos claros. Ninguém gosta de trabalhar no escuro. Aprenda a reconhecer bons desempenhos.



4- Valorize sua equipe e delegue responsabilidades. Assim, você aglutina, desfaz “panelinhas” e fofocas, ao mesmo tempo em que fortalece sua posição e a deles.



5- Pare de procurar “pêlos em ovos”. Ser gerente é conduzir pessoas a resultados, não ficar implicando com tolices que não levam a nada.



6- Dê exemplo em tudo. Um gerente tem visibilidade e ela não pode ser embaçada por chiliques, grosserias, má imagem, falta de educação e centralização.



Os novos tempos pedem novos gerentes. Revisar procedimentos e repensar posições, praticando outras melhores pode ser decisivo para continuar pertencendo a este competitivo meio ambiente.

Sergio Luiz de Jesus

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ADQUIRA