Com empregabilidade, você terá mais facilidade na obtenção de um trabalho

A crise no comércio varejista brasileiro
6 de fevereiro de 2019
O que é Gerência Participativa?
6 de fevereiro de 2019

Todos sabemos de cor e salteado que o Brasil vive um gravíssimo problema de desemprego. Só na Grande São Paulo, são cerca de 2 milhões de pessoas desempregadas ou sub-empregadas, isto é, vivendo de “bicos”.

Todavia, um recente estudo de entidades patronais revela que cerca de 60 mil vagas permanecem em aberto, sem o comparecimento de candidatos capazes de exercer as funções.

Como entender tamanha massa de desempregados e tantas vagas sem preenchimento, muitas delas com remunerações superiores a R$ 3.000,00?

Uma das explicações possíveis é a falta de empregabilidade da grande maioria dos desempregados, que, por baixa escolaridade ou falta de especialização, não conseguem exercer funções mais qualificadas do que serviços gerais, trabalhos braçais ou funções operacionais básicas.

Mas é importante entender o que é empregabilidade. Trata-se da capacitação profissional que permite ao individuo ser aceito pelo mercado de trabalho em suas novas e duras exigências.

Segundo especialistas, essas exigências são, basicamente:

  • Capacidade de tomar decisões e “andar com as próprias pernas”
  • Capacidade de aprendizado, rápida compreensão e transmissão de informações;
  • Capacidade de comunicação ampla, tanto com colegas, quanto com clientes e o mercado em geral;
  • Conhecimentos básicos de informática;
  • Capacidade de trabalhar em equipe e estabelecer ótimos relacionamentos;
  • Boa apresentação e equilíbrio emocional.

Além disso, é indispensável um nível de escolaridade mínimo. Hoje, até mesmo o segundo grau completo (ou ensino médio, pela nova denominação) pode ser insuficiente, se o indivíduo não tiver algum curso adicional, ou alguma habilidade específica.

Assim, se você está desempregado ou se é jovem e quer ingressar no mercado de trabalho, anote as seguintes sugestões:

  1. Conclua pelo menos o ensino médio e, se não puder cursar uma faculdade, faça cursos complementares.

Está provado: com menos do que o segundo grau, será muito difícil obter alguma colocação com remuneração adequada. Segundo um recente estudo, cada ano de escolaridade representa um acréscimo de 12% ao salário. Além disso, busque cursos de formação complementar, que o ajudarão em sua formação, bem como no desenvolvimento de suas habilidades. O SESC, SEBRAE, a Associação Comercial, a Embrapa e as entidades ligadas a eles sempre oferecem opções interessantes, a custos acessíveis. Informe-se a respeito.

  • Procure descobrir quais são suas principais habilidades, sua vocação e as suas áreas de interesse

Não adianta insistir em áreas que nada têm a ver com você, somente porque pagam bem. Você precisa descobrir qual é sua vocação, o que gosta de fazer e que habilidades você tem e que contam a seu favor. Pois, em geral, quem se interessa e gosta do que faz, tem resultados muito melhores e sai com grande vantagem na frente dos concorrentes.

  • Busque conhecimentos novos sempre e esteja atualizado

Algumas pessoas pararam no tempo e, se estão empregadas, correm um sério risco de perder o lugar. Se estão desempregadas, são facilmente superadas por candidatos mais ágeis. Portanto, não se acomode. Leia, busque informações, faça cursos periodicamente, conheça bem sua área e tenha diferenciais que contem a seu favor.

  • E se, com tudo isso, você assim mesmo não conseguir um bom emprego?

Não desanime. Fique atento às necessidades de mudança: será que em outra cidade há melhores oportunidades? Será que outros campos de atuação são mais promissores? Ou será melhor que você se torne seu próprio patrão, descobrindo oportunidades comerciais ou de prestação de serviços interessantes em sua comunidade? Os programas de micro-crédito, recentemente aprovados, têm por objetivo estimular o empreendedorismo, isto é, a criação de novas empresas.

É fundamental buscar um aumento de empregabilidade, para que as chances de sucesso profissional aumentem substancialmente.

Afinal, em épocas de dificuldade econômica e escassez de emprego, vence quem tem maior capacidade de se adaptar, de buscar soluções e de superar obstáculos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ADQUIRA